Ainda sobre ninfeta…

ter, 22/07/14
por Bárbara |

images

Estou completamente viciado em ligar toda noite era essa ninfeta que vem tirando meu sono, toda noite é a mesma coisa: desligo o telefone e me masturbo pensando nessa deliciosa menina.

As conversas com ninfeta tem sido cada diz mais intensas e ultimamente ninfeta tem manisfestado sua vontade de transar comigo, e eu com ela…

Falamos das coisas mais bobas as mais absurdas, combinamos de transar em minha cama, debaixo dela, na escada, no terraço. Ninfeta mal debutou no sexo e já me prometeu dar o cuzinho. E que cuzinho…

Não vejo a hora de chegar no meu antigo bairro, procurar ninfeta e matar o está me matando: a vontade de possuir aquele corpo, deleitar sobre ele, usar toda sua juventude… E ela também sempre me diz que quer me possuir, ser possuída, me tomar e ser tomada.

Em breve falarei sobre nosso primeira e ela promete…
Dom Ricardon de Belfort

seg, 21/07/14
por Bárbara |

pensando na ninfeta

Amigas e amigos,

Conforme a nossa maravilhosa Bárbara adiantou na sexta-feira, eu estarei aqui com vocês nos próximos dias. Como fiz em pontuais dias da semana, contarei algumas histórias (reais, porque gosto de me expor aqui) e para não assustar ninguém, começarei com uma bem tranquila. Bom, tranquila por ela ainda não aconteceu…

Da mesma maneira como os outros contos, prefiro não citar o nome da envolvida no caso, então resolvi chama-la apenas de “Ninfeta”. Afinal é isso que ela é: Ninfeta é uma jovem menina que vi crescer e jamais imaginei que seria uma inspiração para um de meus contos, mas foi, ou melhor, está sendo!

É que nos últimos dias essa menina tem tirado meu sono. Na verdade, já faz um mês que venho mantendo contato por telefone com ela e as coisas têm esquentado. Não paro de pensar no corpo, nos lábios, no cabelo. Não paro de pensar nessa ninfeta que mudou virou minha do lado avesso.

Apesar de nova, Ninfeta não tem nada de boba e seus olhares têm intensificado cada vez que passamos próximo um do outro, o problema é temos de certa forma um grau próximo de parentesco e não sei por isso aumenta o tesão e a vontade de estar com Ninfeta. E o pior: ela está presente em vários momentos das confraternizações de família, e desde que se criou esse jogo de sedução, eu não tenho mais tido paz para seguir minha vida. Até hoje não sei, Ninfeta é uma anja ou o diabo? Só sei que ela tem tudo que chama atenção de um homem adulto: é linda, tem corpaço, jovem, fogo nos olhos e muito calor em cada pedaço corpo. Sim, já toquei no corpo da minha musa teen.

Quero ninfeta, Ninfeta me quer. Esse é o resumo da história que não poderei contar toda hoje, já que Bárbara me deixou muito trabalho (descanse em paz, linda). Mas, já adiantando o que terminarei amanhã, o primeiro beijo já rolou, foi na última noite de domingo, mas não paramos aqui.

Continua…

Don Ricardon de la Belfort

Tão sonhadas férias!

sex, 18/07/14
por Bárbara |

Oi, pessoal!

Então, acho que isso vai ser mais difícil para mim do que para vocês (mentira, acho que vai ser complicado para ambos), mas finalmente terei férias! Sim, férias! Tem tempos que não faço isso! Estou precisando dar uma espairada, ter novas aventuras e inspirações, conhecer coisas novas…

WP_20140101_040

Uma dica de onde passarei as férias

 

Mas não se preocupem, serão férias curtas (obviamente, não consigo ficar longe do blog e de vocês)! Uma semaninha apenas! O suficiente para eu relaxar (e ter novas inspirações!) e para ninguém morrer de saudades. Mas, claro que não largaria o blog e vocês assim! Meu amigo, Don Ricardón, ficará responsável pelas atualizações diárias. Cuidem bem dele, ele tem excelentes histórias. Tenho certeza que ele não irá deixar ninguém desamparado e este nosso espaço largado.

Beijinhos e até a volta! Prometo voltar com gás total, novas ideias e histórias!

 

Fetiches sórdidos que as mulheres não tem coragem de pedir

qui, 17/07/14
por Bárbara |

Ia escrever hoje um texto sobre sexo casual (que deve ficar para amanhã, já tem um tempinho que quero comentar sobre este tema), mas achei um outro texto na internet tão, mais TÃO genial, que preciso compartilhar com vocês.

—————————————

Mulheres são adoráveis criaturas. Frágeis princesinhas, bonecas delicadas, sonhadoras românticas cujas maiores fantasias sexuais envolvem fazer amor na praia, sob a luz do luar. 

Não.

Nós todas, sem exceção, também nascemos e crescemos com os maus gostos e maus cheiros do corpo humano. Viemos também, já como item de fábrica, com os maus hábitos de higiene duvidosa. Umas mais, outras menos. Mas todas temos. Sim, a gente dorme com a mão dentro da calcinha quando tá frio e o nosso buraco não foi feito somente pra fazer sexo anal. Já dá pra tirar ideias disso tudo.

Quanto mais eu escrevo sobre sexo na internet, mais me surpreendo com os comentários femininos em cada post. São mulheres me perguntando como aprender a ejacular, falando que adoram receber porra na cara e fazem questão de se lambuzar e lamber tudinho. Algumas muitas com curiosidades sobre bissexualidade ou dupla penetração.

Engraçado ver como, em 2012, ainda temos como revelador um livro como o My Secret Garden, da escritora americana Nancy Friday, que escreveu, ainda na década de 70, esse clássico pioneiro da sexualidade feminina, livro que retrata justamente os anseios das mulheres sobre o sexo, e não só o estereótipo de feminilidade delicada e submissa, mesmo na cama.

Há muita mal-comida por aí e também mulheres que têm problemas em aceitar a própria sexualidade, ou que levam tabus da sociedade pra cama. Se você começar a se enroscar com uma mulher de sexualidade mal-resolvida, vai ter complicações por um bom tempo. Isso se o sexo não for uma prioridade pra você.

Sexo com outra

Uma das coisas que mais vejo as mulheres comentando é o desejo de fazer sexo com outra mulher. A maioria delas camufla o desejo com a palavra “curiosidade”.

Tudo bem, eu posso fingir que não sei que você se excita vendo um pornô lésbico, que você não tem vontade de acariciar um belo par de seios, lambê-los e sentir na língua a textura, o macio da pele. Explorar o interior das coxas macias de outra mulher, fazê-la gemer no teu ouvido, sentir uma língua delicada e esperta no meio das pernas.

As modalidades variam: algumas têm vontade de fazer com o parceiro só olhando. Outras desejam o pai-de-todas-as-fantasias threesome, mas temem pelo ciúme.

Só uma coisa é certa: o número das bi-curiosas vem crescendo bastante de uns anos pra cá (eu ouvi um “hallellujah, irmãos”?). Uma variante menos comum é o desejo de fazer sexo com dois homens mas, geralmente, quando vejo uma mulher falando de um terceiro elemento numa transa, ela se refere a uma mulher.

Ejacular pela vagina

Outro desejo feminino recorrente é o de ejacular/squirting. Não tem como não gostar: o bagulho é bom pra caralho, o orgasmo pelo ponto G é de deixar as pernas bambas, sacudir o corpo todo, revirar os olhos e sair de órbita por uns bons 15 segundos. Todo homem devia ter a obrigação moral e cívica de aprender.

Até porque não há um que resista ao tesão de ver sua mulher, depois de uma gozada dessas, voltando pro Planeta Terra ofegante, completamente molhada e rindo que nem uma boba e sem força alguma. Nem todas chegam a verter líquidos, isso aí já exige bastante técnica e prática. Mas que elas querem muito, ah… isso querem.

Ainda bem que, ganhando orgasmos fortes assim, não há uma mulher sequer que queira parar de treinar e treinnar e treinar mais… até conseguir. Se não conseguir, pode ficar tranquilo que vai ter ainda mais treinos.

Negros, narigudos, japoneses e outros tipos específicos

Eu andava com uma menina que só trepava com japas. Em Goiás, são poucos os descendentes nipônicos e os poucos que moram aqui são, em sua maioria, muito feios ou muito velhos. Eu não entendia como a minha amiga, toda loira e deliciosa, ficava se enroscando com o Jaspion ou o sr. Miyagui. Certo dia, no meio de uma conversa sobre, claro, sexo, ela me revelou o que eu não havia percebido até então: “e você, que só sai com narigudos?”.

Já fiquei com tanto narigudo feio e desinteressante que eu não podia julgá-la por fazer o mesmo com os japoneses. Existem mulheres com atrações por um traço físico específico dos mais variados.

Eu já tive tara só por cabeludos. Tenho uma amiga, loira e classuda, que jura não haver uma foda melhor que com negão. Onde trabalho, há uma menina morre de tesão quando vê um homem de óculos.Uma vez, meu psicólogo disse que a tara que tenho por narizes grandes é por pura associação inconsciente ao falo masculino, já que o nariz e o pinto são as duas principais protuberâncias frontais de um homem, juntamente com o pomo-de-Adão, que eu também adoro quando saltado. Freud dá um sorrisinho e se aconchega no caixão.

Há todo um padrão no inconsciente coletivo de pequenos grupos de mulheres que podem, de quando em quando, variar de acordo com suas experiências, sexuais ou de vida mesmo. Afinal, tudo o que vivemos durante nosso cotidiano invariavelmente  influencia o nosso apetite sexual. Isso dá até pano pra manga do próximo fetiche.

Like a boss e empregadinho gostoso

Às vezes, a tara não é exatamente por um traço físico, mas sim pelo papel social desempenhado pelo homem. Quantas nós, quando estávamos no faculdade, nunca sonhamos em pegar o professor? Eu tenho um ex-namorado professor de ensino médio e o que não falta é cocotinha no pé dele. Mesmo ele não sendo exatamente um Brad Pitt, a posição de autoridade perante elas já basta pra causar o frisson. Transar com o chefe, com o diretor, muitas vezes não é exatamente por tesão na pessoa, mas sim no terno que ele veste, no escritório em que ele trabalha, na poltrona onde ele senta e no café e até no jeito como ele cobra relatório pras dez da manhã.

O oposto também existe, de mulheres que querem transar com quem lhes presta serviço. Quem nunca viu a famosa cena de filme pornô em que a dondoca seduz o motorista, ou o entregador de pizza? Entra aqui o oposto: o tesão em dominar um subalterno, em desviar a atenção de um inferior do que ele tem que fazer, só pra satisfazer os desejos da patroa ou cliente.

Fiquei muito abismada e curiosa quando uma amiga minha me contou que comprou uma mesa de jantar e , na maior cara de pau, ela me disse:

“Poxa, ele era todo fortinho. Simples de tudo, até meio jeca. Eu tava na seca e trepei com ele em cima da mesa recém-montada mesmo, que acabou quebrando. Sorte que ele tava lá pra montar de novo”.

Se lançassem a promoção “alô, dona de casa! Compre uma mesa e ganhe uma foda de bônus!”, aposto que ia vender muito bem.

Lugares públicos, ser pega, fazer sexo em locais proibidos

A rapidinha em lugares públicos é um clássico ainda insuperável. Toda mulher tem um tesão especial em ser fodida com urgência, com a calcinha só de lado. É um momento de muita adrenalina e pouco raciocínio lógico. Paradoxalmente, trata-se de um dos momentos mais criativos do ser humano. As posicões geralmente são das mais “arranjadas” pro momento de pura transpiração, tanto física quanto mental.

Admito que sou fã da modalidade. O tesão fica lá em cima rapidinho, não tem muito o que pensar – só agir – com toda aquela pressa frenética, deliciosa. É simplesmente fantástico!

Entretanto, o crème de la crème deixei agora pro final (deixem qualquer trocadilho de lado). Antes de escrever esse post, perguntei para muitas delicinhas o que elas mais desejavam na cama.

“Eu não te conheço/Me pega de jeito”

Não foi surpresa nenhuma a enxurrada de “estupro consentido!” que recebi como resposta. Pois é, meus amigos…

O fetiche que encabeça essa lista é justamente o mais “errado” moralmente. Estupro é crime. Fato. Você nunca deve comer uma menina que apagou de tão bêbada (aliás, isso nem graça tem). Você não deve desrespeitar uma mulher que não queira transar com você, por qualquer motivo que seja.

Tudo posto em seu lugar, uma das melhores coisas do mundo é ser comida com força. Com urros bestiais que ecoam pelo quarto, gemidos que viram gritos de prazer, puxões no cabelo, uma foda animalesca que faz todos os seus instintos mais viscerais se espalharem do útero para o resto do corpo.

Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados. Por exemplo: não é toda mulher que tem essa fantasia. Na verdade, muito mais que 50% não sente um mínimo de tesão com isso. Se ela não for uma danadinha genuína, pode se sentir desconfortável e isso é o que menos queremos.

Pra sacar qual mulher toparia essa modalidade é fácil: basta observar se ela curte um lance mais agressivo. Se ela não reclama de tapas, se a submissão sexual é instintiva e bem vinda. Outro cuidado importante é estabelecer uma safeword. Isso nada mais é do que uma palavra fora do contexto sexual pra você saber se ela realmente tá afim do que você está fazendo. Num estupro consentido, é normal a menina gritar “não, não, por favor, não me come!”, mas isso é só parte do teatro. Na verdade o que ela mais quer é ser comida com brutalidade.

Antes do ato, deve se estabelecer uma palavra neutra, tipo “tango” ou “mostarda” ou qualquer coisa assim. Quando o “não” dela for pra valer, basta ela dizer a safeword e, com isso, o rapaz é obrigado a parar imediatamente o que estiver fazendo. Aprendi isso num clube desadomasoquismo e me é muito útil até hoje. Pra quem interessou, mesmo que minimamente, há uma sessão de vídeos no site do Brazzers. Recomendo uma olhada sem nenhum tipo de conceitos formados. Olhe somente pela experiência.

Nota dos editores: sabemos que falar dessa realidade pode causar problemas, então pedimos sua ajuda se você souber como falar disso de outro modo.

Princesinhas, sim. Safadinhas também

Sim, nós somos princesinhas e devemos ser tratadas como tal. A gente adora um chamego, uma mensagem dengosa, flores, mimos, tatibitate ao telefone.

Com a mesma intensidade, a gente adora uma putaria, foder pelo puro prazer de sentir prazer, de ter o tesão elevado a enésima potência. Somos delicadas, mas a gente aguenta um baita tranco. vai por mim.

“Ah… mas é uma mulher exata,ente assim que eu quero!”. Fácil, amigão. Basta dar carinho e, na mesma medida, liberdade e confiança pra mulher que você já tem. Só isso já va te garantir as fodas mais incríveis, todas pedidas – acredite – por elas.

Será que podia ser melhor?

via papodehomem

 

Você no Blog Sexy Hot! [2]

qua, 16/07/14
por Bárbara |

E com vocês, mais um conto sensacional da Fabby Lima!

————————–

OUTRA VEZ COM O MEU NEGÃO (ATOLANDO TU-DI-NHO)
Depois daquela nossa transa, impossível não me arrepiar com cada lembrança do toque de suas mãos em meu corpo. Mãos negras, pegando-me forte, deixando marcas vermelhas espalhadas por meu corpo claro. Mas como e quando iria possuir verdadeiras sensações com ele novamente? Logo pela manhã fui despertada pelo toque do telefone. Um convite que tive conhecimento deste o dia anterior. Achei por bem recusá-lo, mesmo com meu tesão aflorado. Entretanto, meu corpo pedia somente a saciedade de outro: o do meu negão delicioso. Na noite anterior adormeci com o pensamento nele… Desejando-o outra vez! À noite, um convite para um barzinho. Enquanto, conversava com um amigo, eis quem me surge: Humberto! Sentou-se sozinho em uma mesa um pouco afastada, mas com ampla visão. Procurava manter o controle do meu corpo… Minha buceta encharcada denunciava o meu tesão por ele. Quando tínhamos oportunidade, trocávamos olhares mais quentes, entretanto, procurava disfarçar para os demais não notarem. Uma ou duas mulheres tentaram uma aproximação com ele, observava tudo a distância. Portanto não tiveram êxito em suas investidas. Quando meu amigo se dirigiu ao banheiro, Humberto fez sinal ao longe me mostrando as chaves de casa. Mesmo com uma atitude mais contida adorei! Pois entendi direitinho o que ele queria me dizer com aquele gesto.

Algumas horas se passaram…

Meu amigo me convidou para esticarmos mais a noite em outro lugar. Mas ele não sabia que a minha libido estava direcionada para o corpo de Humberto. Então nos despedimos e enfim retornei para casa. Tinha a plena certeza de que Humberto me ligaria, pela maneira que ficou me olhando a me ver sair. Preferi tomar outro banho e vesti uma roupa que combinasse mais com o nosso momento. Parecia que tínhamos cronometrado o tempo, pois quando estava quase pronta ele me ligou a visando de um contratempo, mas que logo retornaria novamente. O retorno veio antes do tempo previsto e nos encontramos no lugar que havíamos combinado antes. Sentia-me a própria adolescente fazendo algo às escondidas. É uma delícia a química que acontece entre Humberto e eu! Dessa vez preferimos ficar apenas no andar de baixo da casa. Seus beijos logo molharam os meus lábios ressecados pelo desejo. Fui interrompida por Le, avisando-me que não precisaria retirar as roupas.

- Hum… Não vai querer receber lambidinhas, chupadas e beijinhos nele? Perguntei com um olhar devasso.

- Claro que sim! – respondeu ele e sorrimos.

Após nos livrarmos de nossas roupas, contemplei o seu cacete retesado. Sua boca invadiu novamente a minha… Seus lábios quentes foram percorrendo a minha pele branca, deslizando até alcançar cada parte de minhas coxas. A língua tesa tocou a vulva e ali ficou brincando fazendo-a mais inflamada. Sussurrava… Gemia… Contorcia-me envolvida em seu sincronismo. Ensandecidos pelo tesão, Humberto se ofereceu em minha boca… Comecei pelos beijinhos em sua glande, passando a língua em meus lábios para umedecê-los, envolvendo o grosso calibre de Humberto em meus lábios, o deliciando por lambidas que seguiam em toda a sua extensão até alcançar as bolas firmes. Nossos momentos são marcados por muita volúpia. Aproveitando a minha posição deitada sobre o sofá, começou a estocar a minha buceta. Seus movimentos continuavam firmes e precisos, como se quisesse arrancar o gozo de minha alma. Rapidamente se sentou para que então pudesse cavalgar em seu cacete preto. Agachada empinei os quadris para que sua glande pudesse se aconchegar na entrada de minha buceta, fui abaixando com delicadeza para senti-lo deslizar em minha vulva, depois de alojado rebolei sinuosamente para ter o gostinho de sua pica roçar em meu clitóris… Freneticamente comecei a quicar! Em seu rosto fazia se perceber a expressão do prazer estampado! Pois pulava sobre o seu mastro e rebolava rapidamente. Humberto apertava… Sugava os meus seios, quando explodi em um gozo denso e frenético deixando minhas pernas trêmulas. Entre uma transa e outra sempre conversamos. E feito uma criança me aconcheguei em s eu colo como se pedisse abrigo. Deitamos de lado com o meu bumbum em direção ao seu cacete, e fiquei rebolando para aquecê-lo ainda mais…Notei que Humberto se afastava um pouco e logo apontou o seu cacete para o meu bumbum. Conforme ele empurrava o seu mastro de encontro ao meu orifício, sentia um pouco de dor, mas que diminuía conforme o prazer aumentava. Preocupado em não me machucar, fez menção em parar, porém, pedi para que continuasse. Devido ao seu tamanho, pedi que fizesse movimentos de tirar e colocar, forçando um pouco mais e m cada entrada. Ao por em meu rabinho, gemia baixinho falando da delícia que sentia. Quando todo finalmente em meu cuzinho, aguardando um pouco, em minha ansiedade em gozar para morder o seu cacete com o meu cuzinho, Humberto gozou depositando todo o seu leite em meu anelzinho.
- Você é guerreira! E esse cuzinho é só meu agora! – disse ele baixinho em meu ouvido.

Gemia e rebolava com seu cacete todo fincado em meu rabo, mesmo depois dele ter gozado! Ficamos ali por alguns minutos conversando e depois nos dirigimos para um banho muito delicioso juntos. Meu preto insaciável queria mais e quando estou com ele topo qualquer parada! Fiquei de quatro sobre o sofá e sua ferramenta deslizou mais uma vez em minha buceta. Ele adora essa posição, por ver seu mastro negro invadir a minha carne branca. Diz que a visão é perfeita! Com toda empolgação controlava a minha euforia… Pegou-me pela mão e me direcionou ao rack.  Apoiando minhas mãos, empinei o meu bumbum e de uma só vez rasgou-me…A ponta de seu cacete batia em meu útero, a satisfação era plena… O êxtase deixava minhas pernas bambas e o suor se refletia sobre os nossos corpos. Mesmo assim queríamos mais! Fazendo uma cama de almofadas sobre o chão, deitou-me nela de costas para ele… Uma delícia! Ali recebi para estocadas de seu corpo sedento de prazer!

- Uma delícia o meu preto! Com ele é puro heavy metal… Pauleira mesmo!

Debruçada sobre o braço do sofá, apoiando minhas pernas ao chão, esfregava o meu clitóris com seu pau completamente assanhado em minhas entranhas. Nossas transas são sempre loucas em um ritmo alucinado, como se estivéssemos participando de uma corrida de Fórmula 1, prontos para chegarmos ao pódio juntos.

Gozei várias vezes nessa posição! E para fechar com chave de ouro, ajoelhei-me e ele começou a punhetar o seu cacete, e feito uma champanhe, brindou-me com seu leite quente em minha boca, deixando escorrer um pouco sobre o meu corpo, deliciando-me com o meu negão.

O gigante mundo do sexo

ter, 15/07/14
por Bárbara |

Pornografia. Acho que todo mundo já viu pornografia na internet, certo? Afinal, se você está lendo este texto agora você não estava procurando por coisas fofas ou qualquer outra coisa que não fosse relacionado a pornografia.

Internet Porn

Afinal, the internet is for porn! Vocês sabiam que 30%, sim, eu disse 30%, que tudo que trafega na internet é relacionado a pornografia? Sites pornográficos são mais acessados que wikipedia. Sim, todos nós temos amigos, e amigos de amigos e sabemos que todos invarialmente já recorreram a uma boa e velha pornografia online. Quem ainda vai na banca comprar revistas ou DVDs?

É quase impossível mapear a extensão da pornografia na rede. São muitos sites, e variados. De todos os tamanhos, com todos os tipos de vídeos e conteúdos. Qualquer um pode achar o que gosta, o que te excita e ser feliz. Assim como em outros mercados, graças ao surgimento da internet, velhos mercados e modelos de negócio sucumbiram e novos surgiriam. Este é o caso das CamGirls.

CamGirls já são uma realidade em todos os lugares. Não é nada muito complicado ficar pelada na frente de uma câmera, se exibir e ganhar alguns trocados com isso – claro, estou falando de redes minimamente legalizadas, e não daquelas que exploram mulheres que o fazem contra sua vontade. E por que não incrementar? Casais, só homens, só homem com homem, mulher com mulher…qualquer combinação que traga mais cliques, mais gente assistindo, mais sucesso, mais dinheiro. E, é sério…tem MUITA opção. Meninas e meninos de todos os tipos, querendo só um pouco da sua atenção (e da sua carteira).

Todos os sites funcionam mais ou menos da mesma maneira…você paga por show, e cada um classifica quando vale seu show. Ou você pode comprar tokens, assistir shows e dar tokens para os que você mais gostar. Sim, quase um candy chrush da pornografia. Essa é a internet, trazendo uma infinita variade de opções para entretenimento. Quase um “todo o poder para os usuários”.

Navegando por ai, acabei encontrando uma boa entrevista (no blog testosterona) com duas meninas que ganham a vida se exibindo na internet, em um dos maiores sites do Brasil deste tipo, o CameraHot:

Pessoas, como eu e você. E assim a pornografia na internet continua crescendo, com exibições pagas, gratuitas e com todo o tipo de material possível e imaginável. Você já consumiu a sua cota diária de pornô?

Beijinhos,

Todo carnaval tem seu fim

seg, 14/07/14
por Bárbara |

É, parece que foi ontem que a Copa começou. E, em um piscar de olhos, tudo se acabou e vimos a Alemanha conquistar seu quarto título mundial no país do futebol (ou agora podemos dizer, ex?). Acabou-se os dias com futebol o dia inteiro na televisão, jogadas maravilhosas e jogos épicos. Acabou-se também os feriados, a expectativa para saber quem ia vencer e até o bolão das empresas. Todo carnaval tem seu fim…

142855_Papel-de-Parede-bandeira-Suja-da-Alemanha_1280x800

Vocês devem estar se perguntando o que isso tem haver com este blog, que normalmente trata de temas sobre sexo e sexualidade. Primeiro, é que não tem como não falar deste tema né. Em todos os lugares que se olha é Copa pra lá, Copa pra cá. E segundo, é que vou sentir muita saudade de todos os gringos e gringas que esbarrei durante a Copa! Era um clima de carnaval fora de época, ruas cheias, bares lotados e a última coisa que você escutava era a lingua portuguesa. Uma troca “cultural” louca e incessante que vai me deixar com muita, muita saudade…

Acho que todos que se aventuraram por ai durante a Copa tem alguma história para contar. Algum gringo que tenha conhecido, esbarrado com alguma beldade, com alguém aleatório ou mesmo com um “hermano” enfurecido com a derrota. Acho que não veremos algo assim no Brasil por um bom tempo. Tudo bem que deixamos bastante a desejar no campo, mas pelo menos na simpatia tiramos nota 10. E acho que eu mais do que ninguém rs! Conheci tantos gringos que até perdi a conta…foi quase um intercâmbio, cada dia um lugar diferente sem nem precisar sair muito de casa. É uma pena que já tenha acabado esse clima todo, acho que no máximo teremos um último suspiro disso nesse final de semana.

Enfim, prometo que vou compilar todas essas minhas histórias da Copa e compartilhar com vocês. Foi uma doideira total! Espero que todos vocês tenham aproveitado bastante esses dias de folia…

E agora, voltemos ao trabalhos diários!

Beijinhos,

Juelz Ventura…uma brasileira perdida em Los Angeles

sex, 11/07/14
por Bárbara |

Outro dia desses estava vendo um filme pornô e fiquei impressionada com uma atriz. Desenvoltura ímpar, parecia gostar da coisa e muito, muito bonita. Fiquei realmente impressionada, tão impressionada que esperei acabar o filme todo para poder ver os créditos, pegar os nomes do elenco e catar atriz por atriz para ver qual era ela. E, depois dessa trabalheira toda, finalmente encontrei e consegui ligar o nome ao rosto: Juelz Ventura.

a

Ela é linda, ela é gostosa, ela manda muito bem em cena. Ela tem atitude e muitas, muitas tatuagens (algo que curto muito). E, depois de pesquisar um pouco sobre ela, vi que precisava fazer um post dedicado a gata. Por que, além disso tudo, ela é brasileira! Sim, brasileira! Juelz nasceu em pela capital, Brasília, em 31 de julho de 1987.

juelz-ventura-02

Juelz se mudou ainda nova para os Estados Unidos, mais precisamente Milwaukee, tornando-se logo em seguida uma cidadã norte americana. Em 2008, se mudou para Los Angeles, onde começou sua carreira. Ela faz parte do casting de produtoras como Brazzers e Penthouse, e já fez inúmeros filmes. Além disso, já recebeu algumas indicações para o AVN, o oscar do pornô!

ftop.ru_63567 BGKnchBCYAA5BKx juelz-ventura-577200

Ela disse que entrou para o pornô depois de descobrir que um namorado, além de traí-la, filmava tudo. Ela resolveu então se vingar filmando todas as traições também…

Além das fotos, consegui achar uma entrevista com Juelz, onde ela explica como foi parar no pornô – como contei acima – e da onde surgiu seu nome de guerra (em inglês):

E que já comecem os trabalhos do final de semana!

Beijinhos,

Você no Blog Sexy Hot!

qui, 10/07/14
por Bárbara |

Não sei no resto do país, mas no Rio está fazendo um friozinho gostoso e tem pouco tempo que parou de chover. Sério, acho que não existe nada melhor para fazer neste tempo do que ficar embaixo das cobertas…se estiver acompanhada então, é prazer total garantido. Pensando nisso, para animar essa fria noite de quinta, publico mais um conto quente e delicioso da Fabby. É impossível não esquentar lendo mais este relato dela…leiam, divirtam-se, gozem e ponham toda a lascívia em prática!

(Lembrando que você também pode fazer parte do Blog! Se tiver algum texto, comentário ou conto que deseja que eu publique aqui, só deixar um comentário ou enviar um email para blogsexyhot@outlook.com!)

————————————

GUERREIRA: BATI O RECORDE DELE

O inesperado sempre acontece…E quando é algo bom torna-se delicioso! Humberto e eu nos conhecemos através de amigos comuns. E por isso, nossa aproximação se deu de forma natural. Aos poucos fui percebendo o quanto ele mexia com a minha libido.

E notava que aquela troca de olhares era mútua. Faltávamos nos comer com olhares. Lembrando aquela música da Rita Lee: A gente faz amor por telepatia…Na presença dos amigos, não lhe dava muita atenção. Mas a direção do meu olhar era fixo nele. Só em pensar em Humberto a minha respiração fica ofegante! Nas oportunidades que ficamos por alguns instantes sozinhos, aproveitamos para marcar algo. E ter uma conversa mais quente. Ele tem até uma forma mais carinhosa de me cumprimentar: dando uma puxada com força em meus cabelos na altura da nuca! O que se faz perceber todo o meu tesão por ele. Homens negros não me atraiam muito… Mas depois de conhecer Humberto, minha concepção mudou totalmente! Ele é um negro alto, forte e malhado. E apesar da nossa diferença de idade ser dez anos a menos para ele, sabe direitinho como deve se tratar uma mulher na cama. Trocamos telefones às escondidas e marcamos o nosso primeiro encontro para o dia dos namorados. Lembro que foi um sábado um pouco tumultuado, pois havia marcado uma reunião para este mesmo dia, sendo à tarde. Como nos veríamos somente à noite, estava tudo certo. A reunião não deu certo! Não sei por que as pessoas têm mania de julgar as outras pela aparência ou ter um conceito ideal de beleza. Não me considero a mulher mais bonita, tenho a minha natural. Acho que se não fosse não seria tão assediada da maneira que sou! A noite um amigo me ligou, sabendo que não estava bem, veio me fazer companhia. Mas meu pensamento estava em Humberto, que já havia me ligado confirmando meu encontro no lugar marcado. Por mais que tentasse desviar das lembranças da reunião, não conseguia. Moral da história: somatizei em uma enxaqueca. Ainda era cedo, quando acompanhei o meu amigo ao portão e dou de cara com o Humberto, aliás, paramos de frente a ele, e nos cumprimentamos.

Os dois foram embora juntos, porém, minha noite tinha acabado por ali. Pois adormeci, com o Humberto em meus pensamentos que sonhei algo muito louco com ele! No dia seguinte à noite, Humberto me ligou convidando para um barzinho próximo a minha casa.  Quando cheguei, ele já me esperava. O tesão era mais do que explícito em nosso olhar sem ninguém para nos atrapalhar! Combinamos de nos encontrar um pouco mais tarde, quando haveria menos pessoas transitando pela rua. Apesar do frio, minha ansiedade era tamanha que sentia um calor em meu corpo. Quando finalmente o telefone tocou: ele dizia que estava indo me buscar. Ao chegar a casa, sentia uma energia muito boa nos envolvendo… Uma delícia! Humberto me dizia que estava ali para me servir… Colocando-se à vontade para fizesse tudo a minha maneira. Seus braços me envolviam… Seus lábios me beijavam… Levavam-me para um outro lugar… Uma outra dimensão…

Sua língua brincava entre meus lábios e a minha nos lábios dele. Literalmente me sentia livre de tudo! Sentia seus beijos sem nenhuma pressa. Após alguns minutos parou e me apresentou ao seu brinquedinho, todo se oferecendo para receber carícias de minha boca. Preferimos ir para o andar de cima da casa, por sinal muito aconchegante. Com mais uma sessão de beijos na cama, despimos nossas roupas.  Quando finalmente pude visualizar por inteiro o seu membro que antes roçava em meu corpo, que precisamente passava dos vinte centímetros. Cheguei a comentar sobre a média do pênis do homem brasileiro, que de acordo com uma sexóloga é de quatorze e meio de cumprimento por seis de diâmetro. Sinceramente, Humberto está acima dos padrões! E que padrão!

Com seu jeito brincalhão, disse que é africano!

- Ai que delicia! Falei sorrindo.

Humberto ajoelhado em minha frente, enquanto eu sentada degustava de seu cacete em minha boca. Sua mão segurava firme o meu cabelo sem puxar. Aquela posição de papai e mamãe estava uma delícia, quando me penetrou com seu pau robusto em minha buceta. Humberto me torturava, fazendo movimentos bruscos e depois parava. Batia em meu rosto, chamando-me de puta e de vadia, de uma maneira diferente da qual estava acostumada em ouvir.

Eu queria mais e mais ter aquele pau me invadindo, rasgando minhas carnes.

- Vem branca! Agora quero ver você me dominar! – disse ele deitando-se, apontando a ferramenta em direção ao teto!

Não reclamei… Montei em sua vara… Pulava literalmente com ela dentro de mim e rebolava com a cara mais devassa do mundo! Confessei certo incomodo pelo tamanho, mas o nosso tesão falava mais alto! Com medo de me machucar, Humberto achou por bem trocar de posição, colocando-me de ladinho. Assim tinha a possibilidade de ver a sua tora preta entrar e sair em minha bucetinha branca, ou seja, pelos movimentos vermelhinha! Empinava o meu corpo em sua direção com o frisson de seus movimentos. Ele me socava e eu rebolava com sua pica dura em minha vulva, comprimindo os meus lábios para não gritar e gemer um pouco mais alto. Humberto fazia questão de puxar os meus cabelos para ver em meu rosto a expressão do prazer que me proporcionava. Gozei rebolando sinuosamente, quando derramou o seu jato de leite… Muita loucura para dois devassos, já que pensamos e fazemos do mesmo jeito. Humberto e eu ficamos conversando abraçadinhos, sobre a nossa maneira de ser: loucos por sexo, ou seja, sexo por sexo sem nenhum envolvimento a não ser pela química de pele… Do tesão que explode quando estamos juntos! Nossos corpos um resvalando no outro… A pele branca em contraste com a negra, logo reacendeu a luxúria e resolvemos voltar para o andar de baixo. Após um banho, nos aquecemos no sofá entrelaçando nossos corpos. Humberto pediu para que eu ficasse ajoelhada no sofá de costas para ele, pois desejava comer o meu rabinho. Não sei se foi por causa do tamanho, o que me deixou um pouco apreensiva. Mas desejava muito todo o seu volume. Ele apontou a cabeça para a minha entradinha forçando um pouco, o que me deixava com dor. E dor é algo que me excita!

Com receio de me machucar ele desistiu da idéia, deixando para uma próxima vez. Subitamente ele se levantou, e em pé, encaixou-me em seu quadril, fazendo me sentir em uma gangorra com seu membro em riste fincado em minha buceta. Ele socava… E com isso meu corpo balançava de encontro ao seu. Sentando com aquela tora apontada para o teto, montei cavalgando e descobri uma forma para não me machucar, apoiando os meus joelhos no sofá e com isso tinha mais flexibilidade para os meus movimentos. Humberto foi ao delírio e gozei várias vezes sufocando os meus gemidos com seus beijos. E ele ali ereto, mantendo-se firme! Ele me dizia que estava adorando estar ali comigo, pois o que imaginara comigo estava sendo mais do que ele queria. E que a minha vontade também se refletia em meu rosto estampado pelo tesão e pelo prazer.

Essa conversa rolou com a sua pica dura enterrada em minha buceta! Uma delícia! Entretanto, lembrava que estava faltando algo para completar a festa. Ele curioso, queria saber o que.

-Está faltando você comer o meu rabinho!

Imagine a cara que ele fez, aliás, o seu membro em minha buceta deu um pulo… Sem nada falar, colocou-me de ladinho e foi aos poucos introduzindo o seu cacete em meu cuzinho, puxando de leve os meus cabelos. Estava tão envolvida com os olhos cerrados… Tão cheia de tesão rebolando…

Fui despertada por sua voz quase sussurrando, avisando que estava até as bolas fincado nele.

- Nossa! Que delícia… – falei.

- Você é guerreira! – disse ele baixinho.

Curiosa como sempre quis saber o motivo por receber tal exclamação.

- Fazia algum tempo que não comia um cuzinho. E você foi a primeira mulher em que empurrei até as bolas. – disse ele ao meu ouvido puxando o meu cabelo.

Isso foi um up para o tesão! Humberto começou a estocar o meu rabinho e pediu para que eu ficasse de quatro para visualizar o seu cacete adentrar em meu rabinho com o contraste de nossos corpos.  O membro dele entrava e saia deslizando, provocando arrepios em meu corpo. Depois de mais uma ducha, trocamos de posição, apoiando-me em pé no rack da sala, por alguns minutos empurrando com força em minha buceta ardida.  Em seguida, apoiando a minha buceta no encosto do sofá, pegou-me novamente por trás. O tesão era tanto que o impedia de gozar! Desejando um banho de leite em uma noite de frio, agachei-me e pus-me a chupá-lo novamente.

O seu tamanho me impedia de abocanhá-lo totalmente. Entre lambidas, sugadas, mordiscadinhas e beijinhos em seu pau avantajado, intercalava entre meus olhos fechados e por alguns segundos olhava fixamente em seu olhar.
Humberto gozou molhando meus lábios, meus seios e cabelos. Fornecendo direto da fonte o creme natural de pele. Onde pude me deliciar com toda a nossa intensidade de prazer.

Minha vontade dele era tanta e continua sendo… Nossa primeira vez foi maravilhosa e uma loucura!

Bateu à química e a cumplicidade onde somente a lascívia e a luxúria falam mais alto.

 

Para alegrar o dia…

qua, 09/07/14
por Bárbara |

Pessoal,

Nem sei bem como escrever este post…minha tentativa é, no mínimo, de pelo menos alegrar um pouco àqueles que gostam e acompanham futebol. Acho que não tem como fugir muito do assunto depois da catástrofe de ontem, então esta sou eu, tentando trazer um mínimo de felicidade e tentando fazer com que pensemos em outra coisa além do futebol. Por isso, nada melhor do que fazer uma justa homenagem a uma das minhas atrizes favoritas, Asa Akira.

1

Só de coletar estas fotos já me deu uma certa alegria e ajudou a conseguir me desligar do trágico acontecimento de ontem. Acho que nunca devo ter deixando isso transparecer no blog, mas também sou viciada em futebol. Então, nada melhor do que trocar um vício por outro e dar uma relaxada… e não tem como não relaxar ao ver Asa em ação.

2 3 4 5

Sem dúvida, Asa merece toda a fama e sucesso que tem. Suas atuações são impecáveis, sua entrega é absurda e ela realmente gosta do que faz…

6 7 8

Espero ter conseguido alegrar minimamente o dia de hoje…

Beijinhos,