“Pesquisa sexual acadêmica”

seg, 14/11/11
por Bárbara |
categoria comportamento

Olá, pevertidinhos do meu coração!

Segunda-feira!  Segunda rima com “ô dia bunda!”. heheh

Após o fim de semana delicioso e excitante que tive, confesso que já aguardo ansiosa para repetir a dose, as minhas ‘aventuras bárbaras’ no feriadinho de amanhã…

Acho muito instigante o parceiro se preocupar com o prazer feminino, procurar agradá-la sempre sexualmente e até se aperfeiçoar na cama, buscar técnicas estimulantes , novas posições, massagens, brinquedinhos que possam quebrar a rotina…  Sou a favor de tudo que favoreça e promova o amor e o sexo.

Olha só o caso do babaquinha britânico Graham Gibbons, de 42 anos,  que tentou esquentar o seu relacionamento mas da pior forma possível e acabou preso! Com uma câmera estrategicamente escondida ao lado da cama, o mané filmou a si próprio fazendo sexo com a namorada por 35 minutos.

Um dia, sua namorada encontrou o filminho secreto e se surpreendeu ao saber que havia sido filmada transando sem a sua autorização! Preocupada e indignada, chamou a Polícia e ele acabou preso sob suspeita de voyeurismo

O covardezinho cara-de-pau disse que filmou tudo para poder avaliar depois o próprio desempenho sexual. Concidentemente, Gibbons, trabalha em uma empresa dedicada a aumentar a eficiência dos funcionários, segundo o “The Sun”.

O vídeo erótico caseiro foi exibido como prova de acusação para o júri durante audiência na Corte de Cardiff. Gibbons negou a acusação de voyeurismo e tentou explicar que o seu vídeo foi feito apenas como um tipo de “pesquisa acadêmica”…

Fico sempre preocupada com esse tipo de travessuras (filmar transas, tirar fotos íntimas) e o risco do material acabar  na internet.  E não só para a molecada que adora se fotografar/filmar. Também é bastante comum surgir cenas reproduzidas de celulares perdidos, laptops furtados e fotos roubadas por hackers ou técnicos de informática. Outras costumam ser alvos do espírito vingativo de ex-namorados que passam a divulgar a intimidade da antiga parceira como forma de manchar sua reputação. E as imagens, autorizadas ou não, podem acompanhar as vítimas pelo resto de suas vidas e atrapalhar suas carreiras. Inúmeros são os casos de protagonistas que tiveram que mudar de colégio, estado ou país.

 

 

Um caso clássico de escândalo provocado por  um vídeozinho caseiro foi o da milionária patricinha Paris Hilton. O ex-namorado dela pôs na internet o vídeo no qual os dois transavam. O filme foi até comercializado e ela ganhou status de celebridade à partir do escândalo. Outro exemplo (nacional) de vídeo que vazou e causou burburinho foi o da ex-BBB Maíra.

Apesar do bom humor e alto astral imperarem por aqui, também há espaço para temas sérios, inclusive preocupantes. Atenção pais, conversem com seus filhos, dê orientações, conheça-os melhor. E um recadinho especial para a galera: Nunca repassem fotos ou vídeos com conteúdo sexual. Se você é uma garota, não ceda aos pedidos dos meninos para escrever conteúdo erótico ou mostrar partes do seu corpo pela webcam ou por fotografias.

Com infos do G1

compartilhar
Comentar

deixe seu comentário